Boi Caprichoso triunfa no Festival Folclórico de Parintins durante primeiro dia de apresentações com espetáculo popular e encantador

Cultura

Manaus (AM)- No primeiro dia de confrontos do 57° Festival Folclórico de Parintins, o Boi Caprichoso exaltou as raízes parintinenses e indígenas que compõe a cultura popular, assim como a própria nação azulada. Luzes de led, projeções no chão da arena, e bailarinos trapezistas que desceram de rapel, a apresentação foi devidamente encerrada com o ritual indígena “Mothokari, a fúria do sol” contando com a participação do xamã, Davi Kopenawa Yanomami, de 68 anos.

A lenda amazônica “Dona da Noite”, foi protagonizada pela cunhã-poranga Marciele Albuquerque, que durante sua evolução para os jurados a bailarina e ativista indígena se transformou em uma bela serpente, cuja a direção artística foi assinada por Roberto Reis, 45 anos.

Fotos: Daniel Brandão/A CRÍTICA

A mulher mais linda da aldeia foi erguida ainda no interior de um módulo alegórico que representava a grande boiuna. Em seguida as Morubixabas do boi Caprichoso, Ira Maraguá, Gilvana Borari, Jessica Maraguá, representaram um momento tribal.

A figura típica regional, “Mestres e Mestras da Cultura Popular Parintinense”, teve a alegoria principal assinada pela dupla Adenilson Pimentel, 43 anos, e Paulo Pimentel, 43 anos, o bumbá azul e branco prestou homenagens à Dona Siloca, Ednelza Cid, Zeca Xibelão e Chico da Silva Roque Cid, que é o fundador e foi primeiro dono do Boi Caprichoso. Dentro de um grande boi, surgiu Markinhos Azevedo, como tripa, e nesse momento a galera azulada foi tomada por emoção.

O “maluzão” emergiu durante a figura típica regional para evoluir como Málùú Dúdú, o bovino agbara. Angela Mendes, filha do seringueiro, sindicalista, ativista político Chico Mendes, adentrou a arena e deu voz aos povos originários e clamou para que lutem e protejam a floresta.

A apresentação tribal intitulada de “Bicho Folharal”, trouxe a belíssima rainha do folclore, Cleise Cimas, que sobreveio em cima de uma imensa iguana desceu da alegoria para evoluir e entregou dança com uma bela indumentária verde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *