Brasileiro relata ataque do Hamas durante festa: ‘Houve disparos contra nós’

Mundo

MUNDO – Nathan Obadia, residente em Israel, compartilhou hoje, 8 de outubro, seu testemunho sobre o incidente envolvendo o ataque do Hamas ao país. Nathan estava presente na rave Universo Paralello, localizada a aproximadamente 500 metros da fronteira com Gaza. Ele lembrou que “houve disparos contra nós, muitos tiros”.

No início de seu relato, Nathan explicou que tentativas de ataques vindas de Gaza são comuns, mas normalmente são interceptadas por Israel. Portanto, na manhã de sábado, 7 de outubro, quando as sirenes de alerta começaram a tocar, ele e seus amigos não ficaram inicialmente preocupados.

No entanto, a festa foi interrompida e o cancelamento do evento foi anunciado, fazendo com que Nathan suspeitasse que a situação era mais grave do que imaginavam. Ele e seus amigos decidiram sair do local em direção a Tel Aviv, a capital de Israel.

No entanto, no meio do caminho, eles se depararam com vários carros retornando à festa. “Vimos um veículo vindo na direção oposta com um tiro no pneu, outro no vidro e uma mulher gritando ‘terrorista, terrorista’”, relatou Nathan. Ele e seus amigos também optaram por dar meia-volta.

Enquanto tentavam sair do local, o grupo enfrentou o momento mais aterrorizante, que Nathan descreveu como “minutos de horror”. O carro em que estavam foi alvo de disparos por parte de membros do Hamas. “Nesse momento, houve disparos contra nós, muitos tiros. Então, eu disse: ‘Acelera e vamos sair’. O carro foi atingido por um tiro. No segundo, estilhaços me atingiram. Então, o amigo que estava dirigindo parou o carro, que serviu como nosso escudo. Deitamos no chão atrás do carro, e os tiros continuaram incessantemente, 15 a 20 minutos de terror”, relatou.

O grupo conseguiu sobreviver após a chegada de soldados israelenses. “Um deles me disse: ‘Corram agora ou vocês vão morrer’. Corri para um barranco, e do outro lado havia mais soldados”, disse Nathan.

Ele e seus amigos conseguiram se abrigar em um bunker até serem resgatados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *