Presidente do Senado diz que privatização da Petrobras não está no radar do Congresso

Para ele, privatizar a companhia "não é uma solução de curto prazo".

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

BRASIL - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta quinta-feira (12), que a privatização da Petrobras não está no radar do Congresso Nacional. "O momento é muito ruim para isso", observou, em entrevista coletiva.

A declaração de Pacheco veio depois de o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, pedir estudos ao governo federal para a privatização da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S.A — que administra os contratos do pré-sal.

Conforme Pacheco, as análises sobre a viabilidade de vender a estatal são necessárias, porém, defendeu "diálogo" com a sociedade civil. "Não é uma medida rápida de ser tomada", observou o presidente do Senado.

Para ele, privatizar a companhia "não é uma solução de curto prazo". "Entre o estudo e a realidade de concretização disso há uma distância muito longa e da qual o Congresso Nacional não se apartará", garantiu Pacheco.

Pacheco pediu um encontro com governadores. O objetivo é conseguir apoio dos Estados para aliviar o bolso do consumidor ao abastecer. O presidente do Senado pediu ainda que Estados mantenham congelada a base sobre a qual incide o ICMS dos combustíveis.