Presidente da Caixa é acusado de assédio sexual e deixa o cargo

Ao menos cinco funcionárias da Caixa acusam Pedro Guimarães

Presidente da Caixa é acusado de assédio sexual e deixa o cargo

BRASIL - Acusado de assédio sexual, o atual presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, prepara a saída do governo. Ele entregou ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), uma carta com pedido de demissão já na tarde de quarta-feira (29).

Ao menos cinco funcionárias da Caixa acusam Pedro Guimarães de assédio sexual, conforme reportagem publicada na última terça-feira pelo jornal Metrópoles. Segundo a publicação, as mulheres relatam toques íntimos não autorizados, abordagens inadequadas e convites incompatíveis com a relação profissional.

Uma apuração sobre o episódio foi aberta na Procuradoria da República no Distrito Federal, e o caso tramita sob sigilo.

Paralelemente, Guimarães também pode ter de prestar depoimento no Senado sobre as denúncias, mesmo se deixar o cargo. Nesta quarta-feira, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou convocatória do presidente da Caixa na Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Casa.

Como Pedro Guimarães faz parte do conselho da Caixa, sua saída teria de acontecer via colegiado da instituição ou então por meio de renúncia.