PL do AM confirma candidatura de coronel Menezes ao Senado, apoio à reeleição de Wilson Lima ao Governo e Bolsonaro a Presidência

O Partido Liberal realizou convenção na manhã desta quinta-feira para apresentar os candidatos a deputados Estadual, Federal e ao Senado que vão disputar às eleições deste ano

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

MANAUS (AM) - O diretório do Partido Liberal (PL), do Amazonas, apresentou oficialmente, na manhã desta quinta-feira, 04, os nomes dos candidatos do partido que vão concorrer às eleições gerais deste ano, na sede do partido localizado na zona sul de Manaus. Ao todo serão nove candidatos ao cargo de deputado federal, 25 deputado estadual e o nome de coronel Menezes para o Senado Federal.

Na ocasião, o presidente regional do partido, Alfredo Nascimento, que também disputará ao cargo de deputado federal, confirmou apoio à reeleição do governador Wilson Lima (União Brasil) e do presidente da República, Jair Bolsonaro.

"Hoje iniciamos uma nova caminhada. Temos um candidato ao Governo que é o Wilson Lima. Um vice indicado pelo Avante de David Almeida que é o Tadeu de Souza. E temos um candidato ao Senado indicado pelo Partido Liberal que é o coronel Menezes, nosso candidato desde quando conversei pessoalmente com o presidente Bolsonaro", afirmou. "Para mim está tudo na paz e vou seguir tudo dentro dos conformes no meu partido e exigir que a legislação seja cumprida para que tenhamos uma boa campanha e a gente reconduza o presidente Bolsonaro a Presidência da República, o governador Wilson Lima ao Governo do Amazonas e eleja coronel Menezes ao Senado", completou Alfredo Nascimento.

Para o coronel Alfredo Menezes, hoje é um dia histórico onde sua candidatura ao Senado foi ratificada e à noite será concretizada na convenção que vai oficializar a candidatura à reeleição de Wilson Lima. Ele afirmou, ainda, que a disputa será acirrada, mas acredita que a população de Manaus e do Amazonas fará a escolha certa, uma vez que seus concorrentes já passaram pelo Estado ou o Senado e nada fizeram para mudar a realidade do Estado, como por exemplo, incentivar o surgimento de novas matrizes econômicas, permitir que 90% do pescado consumido com Estado venha de Roraima e Rondônia, fechar os olhos para o garimpo ilegal, entre outros, além de fazer política apenas para benefícios próprios.

"Temos uma forte formação acadêmica, com experiências exitosas dentro do Exército e também na iniciativa privada. Queremos levar nossa experiência para Brasília e, de fato, lutar para trazermos melhorias para o Estado. Incentivar as potencialidades de cada cidade do Amazonas, como o setor mineral, manejo florestal, a lamina d"água que temos, a fronteira agrícola e outros projetos que precisam sair do papel. Disposição e saúde nós temos, só pedimos das pessoas oportunidades para mostrar", discursou coronel Menezes.

Para a candidata a deputada estadual Débora Menezes, que representa a mulher da Direita, este é o momento em que a população vai conhecer oficialmente os candidatos, pesquisar seu passado para escolher a melhor opção para defender o Amazonas e representá-los na Assembleia Legislativa. "Acredito que posso contribuir para o crescimento do nosso Estado e para melhoria da qualidade de vida da nossa gente. Tenho viajado por todo o Amazonas e observei que pouco ou nada mudou e este será o ano que podemos mudar essa realidade na escolha de candidatos que realmente se importem com as pessoas. Por isso vou defender uma educação de qualidade para nossos jovens, incentivar o empreendedorismo feminino com linhas de créditos diferenciadas, a inserção das mulheres no mercado de trabalho, entre outras ações que as pessoas vão conhecer ao seguir nossas redes sociais", comentou Débora.

O mesmo pensamento foi compartilhado pelo Alfredo Jacaúna, candidato a deputado federal. "Estou numa missão dada pelo presidente Bolsonaro e pelo coronel Menezes e espero honrá-los. Podemos contribuir, na Câmara dos Deputados, com leis e projetos que possam realmente impactar positivamente as pessoas do Amazonas e não legislar por causa própria. É inadmissível um estado rico como o Amazonas depender exclusivamente de um único modelo econômico. Temos que apresentar novas alternativas para gerar mais emprego e renda para o interior do Estado e a nossa capital", defendeu.